Pular para o conteúdo

Últimas Notícias

Gestão de custos no transporte público por ônibus

Pode parecer surpreendente, mas o preço que o usuário final paga pela sua passagem de transporte público por ônibus, trem ou integração não cobre todos os custos necessários para a operação de transporte. Por isso é tão importante falar sobre gestão de custos neste setor.

O Poder Público no Brasil é o responsável pela determinação e reajuste da chamada tarifa pública, aquela paga pelo cidadão ao utilizar o sistema de transporte pública, qualquer que seja. 

Nesse sentido, sabemos que o transporte público sobre pneus é realizado por empresas privadas, que disputam mediante licitação as linhas e trajetos estipulados pela prefeitura, por meio de sua Secretaria de Mobilidade. 

A licitante vencedora assume algumas responsabilidades básicas pelo serviço, como por exemplo:

  • Disponibilidade dos ônibus;
  • Oferta de ônibus na maior parte do tempo;
  • Frota de última geração, equipada conforme especificações do contrato;
  • Etc.

Em contrapartida, para suprir os custos operacionais, a prefeitura de sua cidade se compromete a arcar os valores excedentes. Estes valores são supridos pelos seguintes meios:

  • Estacionamentos públicos;
  • Impostos sobre combustível;
  • Publicidade;
  • Pedágio Urbano;
  • Etc. 

Isso, inclusive, é um método de garantir a qualidade do serviço, sem sacrificar o bolso de milhões de usuários e empresas, uma vez que estas últimas oferecem vale-transporte aos seus funcionários, na maioria dos casos. 

Assim, uma empresa de transporte, independentemente do seu tamanho, tem uma série de custos fixos e variáveis que devem, obrigatoriamente, serem cobertos pelo preço da passagem paga pelo usuário. E não são poucos!

Neste post, vamos explicitar quais são estes custos e como sua empresa pode gerenciar o financeiro de sua empresa de maneira inteligente, para terminar o mês no azul.

Vamos lá!

Quais são os custos no transporte público?

Os custos no transporte público por ônibus, em linhas gerais, tem a ver com todas as despesas fixas e variáveis oneradas em toda empresa de transporte, que possibilita a sua operação comercial trivial.

Segundo o relatório “Custos dos Serviços de Transporte Público Por Ônibus”, publicado em 2017 pela Associação Nacional dos Transportes Públicos (ANTP), existem diversos custos fixos e variáveis que dão o norteamento para o preço da tarifa no Brasil. 

Em suma, este documento é um guia completo que explicita qual é o método de cálculo correto para que a empresa de transportes saiba como realizar a gestão de custo do seu negócio de maneira satisfatória. 

Considerações da ANTP

A título de conhecimento, a ANTP considera como custo variável, ou seja, aquele que sofre alterações de tempos em tempos devido aos reajustes de mercado. A saber:

  • Combustível (óleo diesel, biodiesel, gasolina, etc.);
  • Lubrificantes;
  • ARLA 32 (solução de uréia de alta qualidade e pureza que reduz as emissões do óleo diesel);
  • Rodagem (consumo de pneus);
  • Peças e acessórios;
  • Custos ambientais.

Todo o gestor deve averiguar, periodicamente, o quanto a sua frota consome de combustível, o quanto circula pelas estradas. E, acima de tudo, deve estar atento aos períodos de manutenção preditiva e preventiva, pois justamente nestes momentos acontece a troca de peças e equipamentos para que os ônibus continuem operando. 

Sobre os custos fixos, a ANTP elegeu os seguintes:

  • Pessoal, sendo estes nos seguintes departamentos:
    • Operação;
    • Manutenção;
    • Administrativo;
    • Diretoria.
  • Despesas administrativas, a saber:
    • Despesas Gerais;
    • DPVAT e Licenciamento;
    • IPVA;
    • Seguros;
    • Outras despesas operacionais.
  • Depreciação, sendo:
    • Veículos da frota;
    • Prédios e garagem;
    • Equipamento de bilhetagem;
    • Veículos de apoio;
    • Infraestrutura.
  • Remuneração, sendo dividida em:
    • Veículos da frota;
    • Terrenos, prédios e equipamentos de garagem;
    • Almoxarifado;
    • Equipamentos de bilhetagem e ITS;
    • Veículos de apoio;
    • Infraestrutura.
  • Outras despesas, sendo locações:
    • Dos equipamentos e sistemas de bilhetagem e ITS;
    • De garagem;
    • De veículos de apoio;

Imagine agora que o seu gestor terá o desafio de administrar todos estes custos fixos e variáveis baseados no preço da passagem paga por usuário. É um desafio e tanto, não?

Custos tributários

Entretanto, ainda não mencionamos os custos tributários de uma empresa de transportes, os quais todas as empresas estão sujeitas. Por exemplo:

  • INSS;
  • ISSQN;
  • ICMS;
  • Taxa de gerenciamento;
  • PIS;
  • Cofins;
  • Outros tributos

Nesse sentido, só é possível administrar todos estes custos se a empresa de transportes e o seu gestor olharem para a tecnologia de ponta disponível e investir seriamente em um robusto software de gestão empresarial. 

E este software chama-se ERP, de Enterprise Resource Planning

Como gerir os custos de transportes com o ERP

O ERP é um software, que pode ser baseado em computação na nuvem, que coleta todos os dados dos departamentos de uma empresa (Financeiro, RH, Contas a pagar e receber, etc.) e os aloca em uma única plataforma, cujo servidor criptografado está na nuvem. 

Dessa maneira, a informação torna-se mais precisa e em tempo real, sem divergência entre os departamentos.

O resultado é um só: um cenário realista do que se passa dentro da sua empresa, que possibilita ao gestor tomar decisões assertivas quanto ao futuro da empresa, corte de gastos e investimentos. 

No caso do setor de mobilidade urbana, a Praxio disponibiliza um software ERP específico para este segmento, que coleta além dos dados tradicionais, toda a informação logística de sua empresa. 

Dentre os dados logísticos, podemos citar, por exemplo:

  • Terminal de bilhetagem e tarifário;
  • Manutenção da frota;
  • Consumo de combustível dos ônibus;
  • Gastos de pneus;
  • Quilometragem rodada;
  • Localização da frota em tempo real por sinal GPS;
  • Gerenciamento de custos fixos e variáveis;
  • Administração de impostos e tributos;
  • Etc. 

O ERP pode ser acessado por todos os colaboradores de sua empresa, pois está disponível 24 horas por dia, 7 dias por semana. 

Este acesso pode ser feito por computadores e dispositivos móveis, o que facilita e incentiva ainda mais o seu uso. 

Se interessou? Entre em contato agora mesmo com a nossa equipe de vendas e solicite uma demonstração do ERP Passageiros.