Pular para o conteúdo

Últimas Notícias

Práticas para otimizar escala de motorista na frota de ônibus

A escala de motorista tem importância crucial para o bom funcionamento da empresa de transportes. Isso porque é ela que define a jornada de trabalho de cada motorista.

Além de ser importante para a logística interna, a escala de motorista deve ser bem administrada também devido às leis trabalhistas. Portanto, a jornada de trabalho não deve exceder o tempo de serviço previsto nas regras de Consolidação das Leis de Trabalho (CLT).

Ainda sobre a escala de motorista, deve-se salientar a Lei do Motorista. Tal qual a CLT, que abrange todas as atividades de trabalho, a Lei do Motorista diz respeito especificamente ao setor.

Assim, o controle da escala de motorista deve ser muito bem gerenciado. Tanto para otimizar o trabalho da empresa de transportes, quanto para garantir a segurança dos condutores e agir de acordo com a lei.

Qual a diferença entre escala e jornada de trabalho?

É comum que se confunda escala de motorista com jornada de trabalho. Ainda mais quando se atenta para o fato de que ambos os termos estão muito interligados. Sendo assim, para um bom gerenciamento da escala de motorista é preciso entender a diferença entre escala e jornada de trabalho. 

A jornada de trabalho é o período em que o colaborador está à disposição para o trabalho. Concomitantemente, escala seria o período em que o motorista de fato está prestando o serviço. Ou seja, quando o motorista está de fato ao volante, dirigindo.

Resumidamente, jornada é o tempo em que o empregado fica disponível para o empregador e escala são os dias em que o empregado trabalha. Em suma, são termos comuns a todos os setores. Porém, o setor de transportes requer maior atenção do gestor sobre a escala de motorista.

Dessa forma, o gestor precisa ter um controle rígido, claro e integrado sobre a escala de motorista.

Jornada de trabalho de motorista de ônibus 

Entende-se a jornada de trabalho do motorista de ônibus o período de 8h diárias, portanto, 44h semanais. Como previsto na lei 12.619/2015. Ainda de acordo com a lei, é possível haver prorrogação de até 2h a mais no período de 8h.

Há possibilidade, a depender da modalidade de transporte coletivo, de uma jornada de 12h. Desde que haja o período de descanso de 36h. 

Caso essa lei seja violada, ou seja, cause dano ao empregado, o empregador poderá arcar com uma multa indenizatória extremamente alta. Sem contar que, exceder a jornada de trabalho expõem o condutor e passageiros a riscos desnecessários.

Em suma, a escala de motorista aparece novamente como essencial para manter a segurança e legalidade da empresa de transportes. Uma escala de motorista bem gerida e integrada com os demais setores da empresa evita que as escalas sejam burladas.

Escala de motorista de ônibus

Para se ter uma escala de motorista de ônibus bem estruturada e organizada, é necessário primeiro pensar no planejamento. Nesse sentido, o gestor deve se atentar à forma que essa escala tem sido organizada até então.

Há muitas empresas de transporte que fazem esse controle de forma manual, por meio de cadernos de anotação, por exemplo. Tal método não é indicado. Afinal, atualmente se dispõe de formas mais efetivas e que evitam erros e confusões nas informações sobre a escala.

Considera-se que os maiores erros no momento de organizar a escala de motorista residam exatamente no controle manual. Bem como desrespeito à jornada de trabalho prevista em lei e não programar folgas e escalas com antecedência. 

Uma forma de gerenciar melhor a escala de motorista é através da marcação de ponto, por exemplo. Afinal, com o controle de ponto é possível controlar também a jornada de trabalho. Todavia, as informações de controle de ponto devem estar integradas aos demais setores para que haja um controle efetivo.

Logo, para se ter maior produtividade na operação como um todo, é essencial pensar na organização e planejamento da escala de motorista. Afinal, o trabalho rende mais quando se trabalha com organização e controle efetivo e amplo.

Como integrar escala de motorista e escala de veículos? 

Integração é a palavra do momento no mundo dos negócios. Isto é, o gestor atento às tendências de mercado já entendeu que uma empresa bem integrada, tanto em relacionamento interno quanto tecnologicamente, tem maior produtividade e fluidez operacional.

Atualmente, há muitos sistemas operacionais que trabalham com gestão de escalas disponíveis no mercado. Essas ferramentas ajudam na administração das jornadas. Entretanto, o setor de transportes possui especificidades que nem toda tecnologia é capaz de atender.

Mas, é possível contar com inteligência artificial pensada exatamente para suprir essa demanda. Assim , o gestor pode se valer da parceria da Praxio com a Goal Systems. 

Em suma, através da integração do sistema ERP da empresa com a inteligência artificial, é possível otimizar os horários da rotina e operação. Ou seja, o sistema cruza os dados de motoristas disponíveis com os veículos disponíveis. Isso significa que não haverão carros nem motoristas parados em nenhum momento.

Entretanto, sempre haverá períodos de descanso e intervalos para o motorista. Isto é, as leis vigentes são respeitadas automaticamente diminuindo as chances de erro na gestão de escala do motorista.

Afinal, o sistema integra os dados de maneira otimizada para que haja um motorista e um veículo disponível a todo momento, em todas as linhas. Isso significa que a operação será otimizada. Como resultado, toda a frota é utilizada da melhor forma possível.

3 práticas para facilitar a gestão de escalas de trabalho 

As dificuldades de se administrar a escala de motoristas são evidentes. Ainda mais quando se considera que uma empresa de transportes, por vezes precisa funcionar 24h/dia. Nesse cenário, organizar, planejar e gerir as escalas de maneira que não ocorram turnos dobrados, por exemplo, se torna um grande desafio.

Para ajudar o gestor a ter mais facilidade na gestão de escala de motorista, separamos três dicas. Acompanhe:

1. Controle de frequência e ponto

Ter o controle do registro de ponto e, consequentemente, da frequência é essencial para ter o controle da escala de motorista. Sobretudo, integrar essas informações com os demais setores, como o de RH, por exemplo, colabora para minimizar os erros e inconsistências.

2. Dados em tempo real

Assim como para controle de registro de pontos, ter acesso aos dados em tempo real permite que o gestor tenha controle da operação. Portanto, inclui-se aqui o controle de escala dos motoristas.

Contudo, o gestor precisa idealmente adotar um sistema cujos dados sejam integrados de forma automática. Assim, não se perde tempo na transferência dos mesmos.

3. Automação

A automação auxilia muito na gestão de escala de motorista. Isto é, o controle se torna mais eficaz, o que é muito importante para quem tem que controlar várias escalas ao mesmo tempo.

A empresa de transportes que possui um processo automatizado tem menores chances de erros nas escalas – e demais processos.

A Praxio faz a gestão de escala de motorista, veículos e cobradores de maneira automática. Isso tudo dentro do sistema ERP Globus. Ou seja, sem necessidade de conversão para sistemas não-nativos, o que colabora com a fluidez operacional.

Ainda sobre as facilidades que o ERP Globus possui, ressalta-se a integração e armazenamento em nuvem dos dados. Portanto, todos os setores se beneficiam e ganham agilidade nos processos fiscais e internos. Converse com nossos consultores e conheça as soluções para a sua empresa!