Pular para o conteúdo

Últimas Notícias

Como gerenciar diferentes tipos de carga na transportadora

Não à toa, o transporte rodoviário de cargas representa 60% de todos os produtos movimentados em solo brasileiro. Afinal, diferentes tipos de carga podem ser movimentados pela transportadora rodoviária.

Ou seja, muito do que compramos e recebemos, é transportado por caminhão. Assim, devido a este fato, as transportadoras rodoviárias se especializaram, ao longo dos anos, na movimentação dos mais diferentes produtos com sucesso. 

É fato que o Brasil hoje dispõe de uma das melhores indústrias de implementos rodoviários e de chassis do mundo, tendo em vista a tecnologia alcançada pelos principais grupos rodoviários brasileiros em atividade. 

Dessa maneira, surge o grande desafio da transportadora e dos autônomos em gerenciar os diferentes tipos de carga no seu negócio. 

Mas como executar esta tarefa com precisão, otimizando cada vez mais os processos, a fim de se destacar da concorrência, aumentando a produtividade pelo menor custo operacional?

Primeiramente, o empreendedor logístico deve ter em mente que a sua frota, mesmo que pequena, pode (e deve!) ser versátil. 

O que isso significa?

Transportadora de cargas

O empreendedor pode contar com uma frota customizada. Isto é, com alguns caminhões que possuem carrocerias de tamanhos variados para suprir os diferentes tipos de demanda. 

Nesse sentido, como o mercado rodoviário possui uma ampla gama de reboques e semirreboques, é preciso que o empreendedor entenda qual o modelo certo para os tipos de mercadoria que costuma movimentar.

Mesmo com a crise econômica e, mais recentemente, a pandemia global do novo coronavirus, a logística é sempre uma das bases fundamentais de todos os países.

Afinal, é justamente com ela que a circulação de produtos acontece, ainda de maneira reduzida e destinada a serviços essenciais, como mercados e farmácias. 

É também um dos responsáveis pelo PIB nacional, porque o setor rodoviário é um dos principais aliados do agronegócio, que precisa escoar milhões de toneladas de grãos de soja, milho e cana pelas estradas brasileiras até os centros de distribuição e dos portos. 

No post de hoje, vamos elencar os principais tipos de carga distribuídos pela transportadora nas rodovias brasileiras e como gerenciá-las as cargas com software inteligente

Vamos lá!

Quais são os tipos de carga transportados nas estradas

De acordo com o Anuário CNT dos Transportes de 2019, elaborado pela Confederação dos Transportes (CNT), a malha rodoviária brasileira total, que inclui rodovias municipais, estaduais transitórias, estaduais e federais, possui 1.720.700 km de extensão. 

Foram contabilizadas tanto as rodovias pavimentadas como as não pavimentadas – uma triste realidade vivida pelo setor rodoviário,. Principalmente nas regiões de fazendas e de safra, onde o asfalto não chegou. 

E existem seis tipos de cargas comuns que trafegam pelas rodovias brasileiras. A saber:

Cargas Frigoríficas

Este tipo de carga é uma realidade no setor de transportes, tendo em vista o consumo de carnes bovinas, suínas, peixes e frango. 

Nesse sentido, é preciso de um cuidado maior por parte das transportadoras, pois estas empresas precisam seguir normas e exigências sanitárias para a movimentação segura da mercadoria. 

As cargas frigoríficas são divididas nos tipos congeladas e perecíveis.

Assim, as cargas frigoríficas congeladas são aquelas que passaram por um processo de resfriamento intenso para a preservação de suas propriedades. A saber:

  • Carne bovina congelada;
  • Aves e cortes congelados;
  • Alimentos prontos congelados.

Por outro lado, as cargas frigoríficas perecíveis são aquelas de consumo diário e rápido, que podem estragar ao longo do tempo com mais facilidade. Por exemplo:

  • Frutas;
  • Legumes;
  • Verduras.

Cargas a Granel

As cargas a granel são aquelas que não são embaladas e transportadas em quantidades maiores. A saber:

  • Soja;
  • Milho;
  • Cana-de-açúcar;
  • Etanol;
  • Açúcar.

Existem dois tipos de carga a granel, assim como os frigoríficos.

A carga a granel líquida é composta por sucos, leite, água potável e outros produtos desprovidos de embalagem. 

Nesse sentido, os caminhões que realizam este tipo de transporte possuem reboques específicos, com tanques de aço inox higienizados. 

No caso do leite e dos sucos, o compartimento é refrigerado para que o produto não estrague devido ao calor excessivo.

A carga a granel sólida, por sua vez, é composta por matérias-primas, como o arroz, feijão, soja, milho, dentre outros. Ou seja, os insumos fundamentais que não devem faltar na mesa da família brasileira. 

Assim, os veículos possuem carrocerias abertas e são chamados de graneleiros. Entretanto, há a possibilidade da carga ser organizada em unidades, pallets e até em contêineres, facilitando, pportanto, seu manuseio e transporte.

Cargas Vivas

As cargas vivas também são encontradas com certa facilidade nas estradas brasileiras, e são geralmente compostas por animais vivos, como bois, vacas, galinhas e porcos, por exemplo.

É um tipo de transporte muito delicado, exigindo alto nível de especialização e treinamento por parte dos motoristas e a transportadora que lida com este tipo de carga. 

Cargas Indivisíveis

São os tipos de carga de grande porte e excepcionais. Por exemplo:

  • Vagões ferroviários;
  • Guindastes;
  • Máquinas Agrícolas;
  • Máquinas Industriais;
  • Geradores de energia;
  • Etc.

É um tipo de transporte que, assim como o de cargas vivas, exige muita técnica e cuidado especial.

Na maioria dos casos, contrata-se veículos batedores durante o trajeto, para evitar acidentes e garantir a integridade dos produtos. 

Cargas Secas

São os produtos industrializados e não perecíveis. O transporte deste tipo de mercadoria é realizado em qualquer época do ano, pois não precisa de refrigeração e são cargas versáteis. 

Veja a seguir alguns exemplos de carga seca:

  • Encanamentos;
  • Madeira;
  • Ferragens;
  • Móveis
  • Produtos alimentícios não perecíveis;
  • Materiais para construção.

Normalmente, utiliza-se a carroceria baú, ideal para o transporte de caixas, sacas, fardos e embalagens. Porém, o mais apropriado é o VUC (Veículo Urbano de Carga) e a carreta LS. 

Como gerenciar diferentes tipos de carga com software inteligente

Devido à alta demanda no setor de logística, cada vez mais empreendedores têm procurado soluções inteligentes para gerenciar as suas cargas e o grande número de clientes. 

Uma boa solução está no ERP (Enterprise Resource Planning). O sistema é responsável pela unificação de todos os dados de sua empresa, acessível por todos os colaboradores por meio de computadores e dispositivos móveis. 

No caso do ERP Cargas, da Praxio, também são coletados os dados operacionais logísticos

Dentre estes dados, podemos citar por exemplo:

  • Gerenciamento da frota;
  • Disponibilidade de veículos operantes;
  • Manutenção da frota;
  • Gerenciamento de Armazém (WMS incluso);
  • Aviso de recebimento
  • App para gestão de distribuição;
  • Etc. 

Ou seja, com o ERP Cargas, é possível gerenciar todos os tipos de carga a serem entregues, seguindo todos os parâmetros e melhores práticas de gestão em uma operação automatizada na transportadora.

Isto é, com processos realizados por robôs do próprio sistema, sem falhas humanas, aumentando a sua produtividade e seus lucros. 

Se interessou? Entre em contato agora mesmo com a nossa equipe de vendas e solicite uma demonstração.