Pular para o conteúdo

Últimas Notícias

Como a gestão integrada da PME de transporte aumenta a produtividade

Buscar na tecnologia novas ferramentas que facilitam o dia a dia das empresas é primordial para melhorar os resultados, seja em negócios de pequeno, médio ou grande porte. E um dos principais aliados dos gestores é o Enterprise Resource Planning, conhecido pela sigla ERP.

O ERP é o sistema de gestão integrada, e tem como função integrar dados de todos os departamentos da empresa de forma organizada, ágil e funcional.

Nesse sentido, muitos acreditam que o ERP seja uma tecnologia voltada exclusivamente às grandes empresas – seja pela funcionalidade abrangente ou mesmo pelo preço, cujo senso comum é de que se trata de um valor inacessível.

No entanto, o sistema também é indicado para PMEs de transporte, uma vez que permite a gestão integrada de diversas frentes operacionais. Ou seja, de departamentos backoffice (RH e financeiro, por exemplo), bem como do setor de manutenção e do transporte em si.

Além disso, quando voltado especificamente para operações de pequenas e médias empresas, o custo é proporcional. Mas afinal, como o sistema pode ajudar a aumentar a produtividade e otimizar a gestão integrada da PME de transporte na prática?

Processos do transporte rodoviário

Primeiramente, é preciso definir qual é o objetivo estratégico da empresa de transportes. Uma vez que o negócio está em crescimento, as tradicionais planilhas manuais passam a não dar conta de toda a operação.

Além disso, a falta de integração entre os departamentos deixa toda a operação mais lenta, bem como fica suscetível a falhas. Isso porque os dados podem estar errados, já que as planilhas dificultam a visualização gerencial de toda a operação.

Do mesmo modo há o problema na comunicação. Os colaboradores passam a ter problemas para tratar processos de diferentes departamentos, e isso só se agrava quando há uma operação que não pode parar em andamento – que é o caso do setor rodoviário de passageiros.

Nesse sentido, há diversos pontos da operação que são específicos do segmento. A saber:

Gestão da frota

Quando se fala em gestão da frota, podemos envolver no processo a gestão de veículos, bem como de colaboradores, como motoristas, cobradores ou plantonistas, por exemplo.

Com o ERP, escala rodoviária é automática. É possível controlar informações de partida e chegada, escala de veículos e motoristas e até fazer a gestão de bilhetagem de forma integrada e em tempo real.

Do mesmo modo, para o controle da operação de transporte rodoviário urbano, é possível fazer a gestão de soltura e recolhe, arrecadação e estatísticas, bem como do terminal de consultas.

Controle de insumos de transporte

O controle de insumos é essencial para a correta gestão de custos no transporte rodoviário. Isso porque qualquer deslize pode acarretar em despesas operacionais muito altas, como por exemplo: reposição de peças, imposto sobre estoque, desperdício de combustível ou mesmo o mau aproveitamento de pneus.

Com o ERP e plataformas integradas específicas para gestão de oficina, por exemplo, é possível verificar o estado de todos os veículos e acompanhar a necessidade de manutenções corretivas ou preventivas, monitorando cada Ordem de Serviço e o status de cada ônibus.

Assim, é possível controlar gastos com combustível, pneus, componentes e, principalmente, integrar essas informações ao setor de compras e estoque, evitando desperdícios e impostos sobre materiais em prateleira.

Além disso, há ainda o principal benefício que este controle viabiliza, que é a identificação exata do CPK (Custo por Quilômetro). Afinal, é com esse indicador que o gestor pode controlar a composição de custos na empresa de transporte – sejam custos fixos ou variáveis, bem como todas as despesas operacionais.

Isso porque, com esse indicador, é possível analisar desvios, desperdícios, e identificar a rentabilidade da empresa de transporte rodoviário.

Gestão de pessoas

Outro setor que o ERP específico para transporte é transformador quando se fala em controle de dados. Afinal, sabemos que manter o controle de ponto de motoristas não é tarefa fácil, tampouco pode ser feita sem critérios rigorosos.

Isso porque existe a Lei do Motorista, que regulariza a jornada de trabalho de motoristas de ônibus e caminhão. Ou seja, é preciso estar em conformidade com a lei, com a finalidade de evitar multas ou mesmo passivo trabalhista.

Assim, no ERP, é possível gerenciar de forma automática folha de pagamento e frequência, bem como apontamento de horas e férias. E, não poderia faltar, o ponto eletrônico virtual para colaboradores da operação de transporte.

Tecnologia de gestão integrada para PME

Em síntese, como já pudemos ver, em vez de investir em diferentes programas e planilhas para manter os dados atualizados, é possível centralizar dados em um único sistema, capaz de automatizar diversas etapas da operação.

Assim, o empresário também economiza em mão de obra, uma vez que as tarefas manuais são reduzidas. Por isso tanto se fala em redução de custos e aumento da capacidade operacional quando o assunto é tecnologia ERP.

Além disso, com o ERP, é possível gerar relatórios completos que facilitam a tomada de decisões de forma mais assertiva.

A gestão integrada da PME de transporte pode ser feita com o auxilio de um ERP, pois já existem no mercado soluções específicas para diferentes tamanhos de empresas, bem como segmentados para um setor em especial.

Por que investir no ERP

Em conclusão, com o sistema de gestão integrada para a PME de transporte, diga adeus às planilhas extensas, inúmeros arquivos e versões diferentes para cada setor e que não interagem entre si, dificultando as analises do gestor.

O ERP também permite o armazenamento dos arquivos em nuvem, eliminando a necessidade de um servidor local que está sempre sujeito a um grande risco, seja de vírus ou de queda de energia, por exemplo.

Além disso, o sistema ERP permite o controle de toda a frota de veículo em tempo real. Para o gestor, isso significa ficar de olho nas rotas, gastos com combustíveis, além da gestão de oficinas e compra de peças.

O setor de recursos humanos também ganha com o investimento, já que traz mais praticidade na resolução de tarefas, como folha de pagamento e frequência, apontamento de horas, férias e ponto eletrônico.

Para facilitar o processo contábil e financeiro, o sistema de gestão integrada para a PME de transporte traz recursos como contas a pagar e receber, controle bancário, previsão orçamentaria e ativo imobiliário.

Qual ERP escolher?

Para obter os benefícios do ERP na própria operação, é preciso ter um sistema especializado no transporte rodoviário. Ou seja, com a tecnologia certa para monitorar cada etapa da operação de transporte.

Ainda assim, investir em uma solução ERP em nuvem feita sob medida para sua empresa de transportes é mais simples que você imagina.

A Praxio, líder no segmento de tecnologia para empresas de transportes, oferece o ERP Passageiros, o sistema de gestão mais completo e o que melhor integra todas as áreas da sua empresa, independentemente do tamanho do seu negócio.

Com mais de 30 anos de mercado, conta com uma equipe especializada em tecnologia no segmento de transporte e oferece recursos que colaboram no desenvolvimento e planejamento estratégico.

O ERP Praxio Passageiros oferece recursos focados na operação da PME no transporte, como a gestão de escala de motoristas, veículos e cobradores, Gestão de Soltura e Recolhe, Gestão de arrecadação e estatísticas, gestão integrada com a bilhetagem e terminal de consulta.

Entre em contato com a Praxio e veja como o ERP pode contribuir com a gestão integrada para a PME de transporte!